segunda-feira, 16 de julho de 2018

Cruzeiro empata e se classifica na Copa do Brasil: 1x1

Cruzeiro 1 x 1 Atlético - Mineirão - Toca III - Jogo de volta - Oitavas de final - Copa do Brasil 2018
Arrascaeta marcou o gol do Cruzeiro.
2 tempos diferentes
Enquanto o jogo no 1º tempo foi morno, na etapa final as equipes aceleraram e tentaram buscar com mais efetividade o gol. O Cruzeiro foi ligeiramente melhor na etapa incial e também superou o adversário na 2ª etapa. Marcou primeiro seu gol num momento em que o Atlético ia para o tudo ou nada. Acabou se atrapalhando no setor defensivo e tomou um gol quando já não havia mais tempo para que o time paranaense pudesse almejar alguma coisa. Foi como uma despedida mais honrosa ter conseguido o empate no apagar das luzes. 

O jogo
Um primeiro tempo sem emoções e bastante amarrado. Sem muita inspiração ofensiva os dois times lutaram muito entre as intermediárias. O Cruzeiro não queria correr riscos e o Atlético carecia de qualidade técnica. Já na etapa final, Edilson fez grande lançamento, Raniel aproveitou e passou a Robinho que mandou para área. Arrascaeta de biquinho de chuteira mandou no canto esquerdo do goleiro fazendo 1x0 isso aos 40 minutos. Aos 47 já nos acréscimos nossa zaga bobeou e eles empataram a partida mas já conscientes de que nada adiantaria, precisavam da vitória por dois gols.

Nas quartas
Como conseguiu a vitória no 1º jogo quem precisava do resultado hoje era o Atlético. O Cruzeiro soube dosar o jogo para não correr riscos e garantiu sua passagem para as quartas de final da Copa do Brasil. Agora o Cruzeiro vai disputar uma vaga na semifinal contra o Santos. O atual campeão da Copa do Brasil chega forte para os jogos finais da Copa do Brasil. Será um feito enorme se conseguirmos o PENTA da COPA DO BRASIL. Avante Celeste.


FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 1 X 1 ATLÉTICO-PR
Local: Estádio Governador Magalhães Pinto (Mineirão), Belo Horizonte (MG)
Data: 16 de julho de 2018 (segunda-feira)
Horário: 20h (Brasília)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Assistentes: Jorge Eduardo Bernardi e Rafael da Silva Alves (RS)
Gols: Arrascaeta, aos 40 minutos do segundo tempo (Cruzeiro); Bergson, aos 46 do segundo tempo (Atlético)
Cartões: Thiago Neves, Raniel (Cruzeiro); Bruno Guimarães, Lodi (Atlético-PR)
CRUZEIRO: Fábio, Edilson, Léo, Dedé, Egídio, Henrique, Lucas Silva, Thiago Neves (Raniel), Arrascaeta, Rafinha (Robinho) e Rafael Sóbis (David).
Técnico: Mano Menezes
ATLÉTICOPR: Santos; Jonathan (Bergson), Paulo André, Thiago Heleno e Renan Lodi; Bruno Guimarães, Lucho Gonzalez (Marcinho) e Rossetto; Pablo, Rafael Veiga (Guilherme) e Nikão
Técnico: Tiago Nunes


* NESTE intervalo da Copa do Mundo da Rússia o Cruzeiro disputou dois amistosos com o Corínthians. O 1º em 04/07 às 20hs no Mineirão o Cruzeiro perdeu de 2x0. O 2º jogo foi na Arena Corínthians em 11/07 também 20hs e houve empate de 2x2.

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Revista especial sobre a carreira do ídolo eterno Zé Carlos

Essa revista publicada em agosto de 1985 é um especial sobre os 22 anos de carreira do ídolo Zé Carlos, que fez parte de grandes esquadrões da história do Cruzeiro e conquistou títulos épicos como a Taça Brasil de 1966 e da Copa Libertadores em 1976, além de ter sido campeão mineiro nove vezes.


José Carlos Bernardo - Zé Carlos - Ìdolo Eterno da Nação Estrelada - DO SITE OFICIAL DO CRUZEIRO

Leia mais sobre Zé Carlos:

Zé Carlos quando veio a Barbacena, pude conversar com ele e fotografá-lo 
na arquibancada do Estádio do Villa do Carmo. Simples, humilde, atencioso com os fãs.
Vá em paz Zé Carlos. Deixa-nos tristes pela sua ausência, mas leva todo nosso 
agradecimento e reconhecimento pelos grandes feitos para o Cruzeiro Esporte Clube. 
Que Deus o tenha.

***
  Cruzeiro Esporte Clube lamenta o falecimento do ídolo eterno Zé Carlos
Foto: Bruno Senna / Cruzeiro

O Cruzeiro Esporte Clube lamenta profundamente a morte de José Carlos Bernardo, o ídolo eterno Zé Carlos, que nos deixou nesta terça-feira, 12 de junho de 2018.

Nascido em Juiz de Fora-MG, Zé Carlos foi o segundo jogador que mais vestiu a camisa do Clube, em 633 oportunidades, e defendeu o Cruzeiro entre os anos de 1966 a 1978.

Com a camisa celeste, a qual honrou como poucos, Zé Carlos fez parte de grandes esquadrões da história do Cruzeiro e conquistou títulos épicos como a Taça Brasil de 1966 e da Copa Libertadores em 1976, além de ter sido campeão mineiro em nove ocasiões (1966/67/68/69/72/73/74/75/77).

 Zé Carlos faleceu aos 73 anos e defendeu ainda o Sport de Juiz de Fora, o Guarani de Campinas (onde foi campeão brasileiro em 1978) e o Villa Nova-MG.

Todos nós, da família Cruzeiro, manifestamos neste momento de dor o nosso carinho, compaixão e solidariedade aos amigos, familiares e fãs de Zé Carlos, que sempre terá um cantinho especial no coração de cada cruzeirense e dos amantes do bom futebol.

 Wagner Pires de Sá
Diretores e funcionários do Cruzeiro Esporte Clube

Cruzeiro não vence e fica devendo: 1x1

Paraná 1 x 1 Cruzeiro - Durval de Brito - 12ª rodada - Brasileirão 2018
Não mereceu
O Cruzeiro ao contrário do que disse Sóbis ao final da partida não mereceu vencer, o Paraná sim, não se abateu com o gol sofrido e buscou o merecido empate. Não jogamos bem, mais uma vez e não conseguimos superar o fraco time do Paraná. Foi mais um jogo que ficou naquela ensebação entre o meio campo e a intermediária, sem que ninguém conseguisse furar o bloqueio defensivo do time do sul. Isso tem sido rotina nos últimos jogos do Cruzeiro, a impressão que dá é que já sabem como jogamos e desta forma, sendo o Cruzeiro um time previsível, os adversários montam um esquema e destroem todas as tramas ofensivas da Raposa. Nos transformamos num alvo fácil. Não temos bom aproveitamento em escanteios ou cobrança de faltas e ficamos então dependentes de uma jogada de talento para entrar na pequena área e ficar de cara com o goleiro. Pena que isso não acontece nunca.

O jogo
O 1º tempo foi um jogo morno com pouquíssimas oportunidades de lado a lado. O Paraná tomava a atitude de atacar mas não conseguia passar da intermediária. O Cruzeiro mantinha mais posse de bola no meio campo tentando encontrar um erro ou uma brecha na defensiva paranista. Em vão. No 2º tempo após bom chute de Raniel a bola foi espalmada pelo goleiro e Robinho desperdiçou boa chance. O jogo melhorou um pouco com algumas substituições nas equipes, mas, ainda estava abaixo da qualidade técnica esperada, principalmente pelo lado do Maior de Minas. Depois de fazer seu gol de pênalti, justamente assinalado pelo árbitro, o Cruzeiro diminuiu um pouco o ritmo e o Paraná acelerou. Acabou fazendo seu gol e empatando a peleja.

Arbitragem
A arbitragem foi péssima, mais uma vez. Pelo menos o árbitro teve a coragem de marcar o penal corretamente. Não expulsou um jogador do Paraná que empurrou Lucas Romero na frente do árbitro. Além de atitude anti-desportiva foi um acinte. O fraco árbitro só deu um amarelo. Deveria ser vermelho direto. Depois houve um princípio de confusão numa falta marcada sob Sassá. O mesmo Sassá também deu um empurrão num jogador do Paraná. A tv paga (como sempre com muita má vontade com o Cruzeiro e em geral com todos os times fora do eixo Rio-SP ) viu uma situação idêntica ao lance com Romero. NÃO FOI MESMO. Primeiro que Romero estava de costas quando foi empurrado e até caiu ao solo. Sassá deu um empurrão mais leve e os dois estavam já discutindo. Lucas foi pego de surpresa, na "trairagem". Por não ter dado cartão a Sassá a arbitragem acertou. Os lances foram bem diferentes. 


PARANÁ CLUBE 1 x 1 CRUZEIRO
Local: Estádio Durival Britto e Silva, em Curitiba (PR)
Data: 13 de Junho de 2018, quarta-feira
Horário: 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (Fifa-PA)
Assistentes: Heronildo S. Freitas da Silva (PA) e Luis Diego Nascimento Lopes (PA)
Cartões amarelos : Júnior, Torito, Neris, Igor, Carlos, Rayan, Jhonny Lucas e Biteco (Paraná); Lucas Silva (Cruzeiro)
Gols
PARANÁ: Silvinho, aos 30 minutos do segundo tempo
CRUZEIRO: Rafael Sobis, aos 19 minutos do segundo tempo
PARANÁ: Thiago Rodrigues, Júnior, Neris, Rayan e Igor; Leandro Vilela, Torito (Jhonny Lucas) Caio Henrique (Guilherme Biteco) e Carlos Eduardo; Silvinho, Carlos (Alex Santana) e Thiago Santos.
Técnico: Rogério Micale
CRUZEIRO: Fábio, Ezequiel, Léo, Dedé e Marcelo Hermes (Rafinha); Lucas Silva, Luca Romero, Mancuello (Patrick Brey) e Robinho; Rafael Sóbis e Raniel (Sassá).
Técnico: Mano Menezes

sábado, 9 de junho de 2018

Cruzeiro joga mal e perde no sul: 2x0

Chapecoense 2 x 0 Cruzeiro - Arena Condá - 10ª rodada - Brasileirão 2018

Péssimo jogo
Não tanto pela derrota, mas principalmene pelos 90 minutos de bola rolando, foi um dos piores jogos do campeonato sem sombra de dúvidas. Jogo sem nenhuma emoção, sem boas tramas ofensivas, sem bons lances, jogo fraco, jogo chato de se assistir. As maiores emoções no jogo foram protagonizadas pela arbitragem de péssima qualidade para combinar com a qualidade do futebol jogado na Arena Condá. O juiz fraco não conseguia se impor deixou a violência correr solta. O Cruzeiro foi CLARAMENTE PREJUDICADO pois o gol que mudou e definiu o jogo foi IRREGULAR foi gol de mão, de cotovelo, como um jogador da Chapecoense reconheceu durante e após a partida nas entrevistas. Totalmente INÚTIL como temos dito, é a presença daquele juiz na linha de fundo. Fica assistindo o jogo e na hora que precisamos dele, nunca faz jus ao que dele se espera. Um gasto a mais no jogo, apenas isso. Ou estes caras que colocam na linha de fundo tem algum tipo de deficiência ou estão ali só mesmo para garantir alguns caraminguás.

O jogo
O jogo no 1º tempo foi de ataque contra defesa. O Cruzeiro jogou quase o tempo todo no campo da Chape que se defendia como podia. Sem inspiração nosso time apenas trançava a bola de um lado para o outro sem levar perigo algum ao goleiro adversário. A marcação era muito forte e não dava espaço, e, em contrapartida não se criavam boas jogadas ofensivas, não chutavam de meia distância, não conseguiam entrar na pequena área. Por isso o jogo foi feio, ruim mesmo de se ver. Não aconteciam de nenhum dos lados lances de perigo. Foram pouquíssimas emoções. No 2º tempo a coisa caminhava para se repetir, porém, com algumas mudanças o jogo ficou um pouco mais movimentado, até que o desengonçado Apodi disparou pela direita e depois de milhares de tentativas conseguiu acertar um cruzamento para a área. Aí o jogador da Chape cabeceou mas a bola bateu no seu cotovelo e enganou Fábio. A partir daí o Cruzeiro foi pro tudo ou nada e a Chape se fechou mais ainda. O jogo ficou ainda mais feio e numa bobeira de Dedé a bola sobrou para Elicarlos fazer o 2º da Chape e fechar o placar.

Destaques
Ninguém no Time Azul jogou bem. Talvez Egídio tenha conseguido se sobressair um pouquinho pois conseguia anular Apodi e sua correria destrambelhada. Sóbis caiu de produção e precisa reclamar menos para não levar cartões. Thiago Neves que há muito anda devendo NÃO ENTROU EM CAMPO, embora todos tenhamos visto quando saiu de maca. Na defesa desta vez só Léo se salvou. Dedé cometeu pelo menos dois erros graves, sendo que um deles originou o 2º gol. No meio Henrique deu conta e Bruno Silva que tinha mais liberdade poderia ter feito um pouco mais. Edilson não apoiou o ataque, ficou devendo. Robinho continua aumentando sua dívida. Tomara que seja cansaço, mas, a caida de produção do time foi impressionante hoje. Mano reclamou com razão da arbitragem no último jogo a qual chamou de VERGONHOSA, vamos ver como vai classificar esta lambança de hoje. Avante Celeste.


FICHA TÉCNICA
CHAPECOENSE 2 X 0 CRUZEIRO
Local: Arena Condá, Florianópolis (SC)
Data: 09 de junho de 2018 (Sábado)
Horário: 19h (de Brasília)
Árbitro: Grazianni Maciel Rocha (RJ)
Assistentes: João Luiz Coelho de Albuquerque (RJ) e Thiago Henrique Neto Correa Farinha (RJ)
Público: 6.630 pessoas
Renda: R$ 136.420,00
Cartões Amarelos: Rafael Sóbis, Edílson e Robinho (Cruzeiro); Arthur e Elicarlos (Chapecoense)
Gols:
Chapecoense: Bruno Silva aos 34 minutos do segundo tempo; Elicarlos, aos 49 minutos do segundo tempo
CHAPECOENSE: Jandrei; Apodi (Eduardo), Rafael Thyere, Douglas, Bruno Pacheco; Elicarlos, Márcio Araújo, Canteros; Arthur (Bruno Silva), Leandro Pereira e Wellington Paulista (Luiz Antônio).
Técnico: Gilson Kleina
CRUZEIRO: Fábio; Edilson, Dedé, Léo, Egídio; Henrique, Bruno Silva (Marcelo), Robinho, Thiago Neves (Lucas Romero); Rafael Sóbis e Sassá (Raniel).
Técnico: Mano Menezes

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Cruzeiro tropeça no Mineirão: 1x1

Cruzeiro 1 x 1 Vasco - Mineirão - 10ª rodada - Brasileirão 2018 
Raniel, autor do gol e destaque da partida.
Sim, tropeço
Diante do que jogou, do que produziu, diante do fato de jogar em casa, diante das dezenas de gols perdidos, diante da ineficiência das nossas finalizações foi sim um tropeço bastante significativo do Cruzeiro na noite de ontem. O placar foi injusto para o que os times produziram. Uma falha nossa abriu a possibilidade do Vasco fazer seu gol, num momento de rara infelicidade de Egídio e raríssima felicidade do jogador cruz-maltino que acertou um chute que levará muito tempo para repetir. Uma zica só.

O jogo
O Cruzeiro teve domínio total do jogo. Mais posse de bola, mais finalizações, mais poderio ofensivo mas, não conseguiu transformar tudo isso em vitória o que pode não ajudar o foco do time em fechar esta parte do campeonato (antes da paralisação para a Copa) nas primeiras posições. Impressionante como o Vasco retrancado conseguiu suportar as milhares de investidas do ataque azul. Também faltou mais qualidade no arremate das jogadas. No 2º tempo enfim, aos 15 minutos num lançamento de Dedé que Sóbis magistralmente ajeitou para Raniel conseguimos o empate. Foi um belo gol que premiou de uma só vez os 3 dos melhores jogadores do Cruzeiro na partida.

Destaques
Antes de falar dos destaques positivos, logicamente temos de falar do vilão da partida, ou destaque negativo Egídio. Que falta de maldade aquela jogada que ele fez. É culpa direta dele este empate, porém, com humildade ele assumiu seu erro, coisa um pouco incomum no reino dos boleiros. Pelo menos isso para diminuir nossa revolta com aquela jogada infantil. Tomara sirva de lição para todos os nossos guerreiros. Os destaques positivos foram Sóbis que tem participado muitíssimo dos jogos. Esta em todo o campo. Dedé, soberano da defesa e ontem jogou até de atacante. Raniel tem mostrado que precisa ser titular. Luta muito e cá pra nós, na minha opinião sua luta é bem mais, bem mais produtiva mesmo que a luta do Sassá. Acho que Mano precisa dar continuidade ao garoto no ataque do Azul Celeste. A arbitragem ontem foi outro ponto negativo. Não sei para que aquele juiz na linha de fundo se ele não consegue enxergar um pênalti claro como o que Edilson sofreu. O juiz do jogo também foi péssimo. Só se salvaram os dois bandeiras que não erraram. Avante Cruzeiro.


FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 1 X 1 VASCO
Local: Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Data: 6 de junho de 2018 (Quarta-feira)
Horário: 21h45(de Brasília)
Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira (Fifa-SP)
Assistentes: Anderson José de Moraes Coelho (SP) e Fábio Rogério Baesteiro (SP)
Gols: Andrey, aos 21 minutos do primeiro tempo (Vasco); Raniel, aos 15 minutos do segundo tempo (Cruzeiro)
Cartões: Wagner, Pikachu (Vasco)
CRUZEIRO: Fábio, Edilson, Dedé, Leo, Egídio, Henrique, Lucas Silva (Marcelo), Thiago Neves, Rafael Sóbis (Bruno Silva), Robinho, Raniel.
Técnico: Mano Menezes
VASCO: Fernando Miguel, Luiz Gustavo (Wellington), Paulão, Ricardo, Henrique, Desábato, Andrey, Bruno Cosendey (Evander), Yago Pikachu, Wagner (Gionvanni Augusto), Andrés Rios.
Técnico: Valdir Bigode.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Vão pra lá, venham pra cá, naveguem pois:

Você no mapa:


Visitor Map